segunda-feira, 27 de abril de 2015

517 - Aceita que não há respostas para tudo

Meu muito amado filho Estêvão

O que te deixo aqui escrito foi a maior maior maior aprendizagem da minha vida que veio com muitas feridas mas que veio.
Eu sou e acho que serei sempre uma cientista para mim ter perguntas, fazer perguntas é natural, não entender um fenómeno, um acontecimento e procurar arduamente (as vezes arduamente mesmo) é o meu trabalho, é a minha vida, é tão natural em mim fazer perguntas como respirar.... mas nem tudo são reações químicas ou sistemas biologicos (ou melhor tudo são mas nem para tudo há respostas.... já explico).

"Não há nenhuma resposta. Não vai haver nenhuma resposta. Nunca houve nenhuma resposta. Essa é a resposta"
By: Gertrude Stein.

Acho que não sou só eu ... mas as pessoas no geral querem respostas, para as pequenas e as grandes questões: isso pode mantê-las numa constante e apaixonante viagem de descoberta movida pela curiosidade e a vontade de aprender. E tambem em alguns casos (o meu durante anos!), pode mantê-las prisioneiras da busca de respostas que verdadeiramente podem nao existir.
Porque que é aquele amigo que eu gosto tanto se afastou de mim?
Porque é que ele me deixou?
Porque é que não conversou comigo e fiquei sem saber nada sem aprender nada?
Porque nao gosta ela de mim?
Que mal lhe terei feito eu?

Meu amor quando aceitas que nem tudo tem resposta, podes começar a relaxar em relação a algumas coisas e começar verdadeiramente a apreciar o mistério e o enigma e comecar a apreciar a ideia de que algumas coisas não têm resposta ou pelo menos não tem uma resposta acessível aos sistemas humanos. Não entender isto (acredita em mim) é profunda arrogância. Entender é muito libertador.

Simplesmente deixa fluir.
Deixa ir.


Amo-te profundamente


Tua mãe

Nenhum comentário:

Postar um comentário