Pular para o conteúdo principal

724 - Ingratidão e injustiça

Meu muito amado filho Estevão

Todas as vezes que testemunho ou sofro alguma ingratidão, lembro-me da passagem do Evangelho – aquela em que Jesus curou os dez leprosos e só um voltou para agradecer. E ele perguntou: onde estão os outros nove? Essa história nos indica que a ingratidão é algo comum, majoritário, no comportamento humano. Estatisticamente, 90% daqueles que Jesus curou, não mostraram gratidão.
Observando esse fenômeno, proponho-me aqui a examinar as motivações psicológicas da ingratidão.
Quando alguém está precisando de ajuda – seja porque está doente, com dificuldades financeiras, solitário, deprimido, em qualquer situação de crise ou mesmo que essa crise seja um status permanente, desde a infância – é um momento, uma fase, ou até uma existência inteira, até então, de fragilidade e de carência. Para o orgulho humano, precisar do outro, tem algo de humilhante – ainda que aquele que ajude (como o caso incontestável de Jesus) esteja ajudando com total desprendimento e sem nenhum desejo de recompensa. Obviamente que este estado de desprendimento e desapego dos resultados é algo bastante raro no mundo, tão raro quanto a gratidão.
Ora, quando a pessoa que recebeu a ajuda, seja em forma de dinheiro, apoio, solidariedade, incentivo, colo… – se vê numa situação melhor, de maior segurança, de retomada de sua autonomia, até de euforia, porque conquistou posições e patamares antes impensáveis (muitas vezes com o próprio esforço sim, mas a partir da ajuda recebida) – então, a pessoa não quer mais se lembrar daquele instante de fragilidade, quer negar para si mesma que precisou um dia de apoio, quer atribuir todas as suas conquistas apenas a si mesma, aos próprios méritos. Não quer dividir o sabor da vitória, relembrando um momento em que estava “por baixo”. Então, nega o benfeitor, esquece-o, até pode agredi-lo e eliminá-lo simbolicamente, porque é humilhante para o seu status atual, fazer referências a um estado anterior de carência. Então, faz aquilo que o ditado popular tão pitorescamente expressa: “cospe no prato que comeu”.
A coisa se agrava mais quando existe uma forte relação afetiva entre aquele que ajudou e aquele que foi ajudado – seja este um filho, um irmão, um amigo íntimo, um parente distante ou próximo. Porque então, a ajuda pode ter sido carregada de forte dose de afetividade, preocupação com o outro, desejo profundo de felicidade e superação das dificuldades do ser amado. Nesse caso, o ingrato precisa esquecer duplamente do benfeitor – o benefício prestado e a afetividade entregue. E é então que a ingratidão pode doer mais profundamente, porque se tratou não apenas de um benefício, mas de uma entrega de si. Episódios assim também se encontram na vida de Jesus, como a traição de Judas, a negação de Pedro e o abandono dos mais próximos, no momento da crucificação. No caso dos leprosos, Jesus não tinha uma intimidade com eles. Com os discípulos, eram amigos queridos. Nessa configuração, a pessoa não quer apenas esquecer do benfeitor, para não lembrar de um momento de fragilidade, ela quer se desobrigar de qualquer retribuição concreta ou afetiva com a pessoa que foi determinante para suas realizações, superações e conquistas – sejam elas de ordem material, intelectual ou moral. Quer se sentir livre de compromissos com quem ficou para trás, porque tais compromissos, que implicariam muito mais do que simplesmente reconhecer o benefício, mas também num cuidado com o outro (como o caso de pais, irmãos, amigos), são uma quebra na fruição de suas conquistas. Por exemplo, o indivíduo recebeu toda a formação dos pais, todo o empenho pelas suas realizações, todo o carinho doado (claro, com os limites e defeitos possíveis de todas as relações humanas) e quando ele se vê numa situação de bem-estar, conquista e euforia, não deseja ver o estorvo da fragilidade alheia – agora no caso, dos pais –que estarão por sua vez num momento de carência. Voltar atrás e olhar para os benfeitores, amá-los, cuidar deles, ter compromissos, é turvar o momento de segurança presente, é abrir brechas para o afeto fluir, no meio da vaidade das conquistas.
Assim, podemos concluir que o que atrapalha a gratidão em todos os casos é o orgulho – de não se admitir que se esteve já em situação difícil – e o egoísmo – de não querer interromper o gosto da conquista, com a preocupação, o cuidado e a dedicação ao outro.
Agora, analisemos toda a questão do ponto de vista daquele que ajuda. Que motivações podem levar a pessoa a fazer um bem a quem esteja em situação de carência ou precisão? São motivações sempre nobres, puras e elevadas? Até que ponto podem também estar contaminadas de orgulho e egoísmo? E pode essa possível contaminação na atitude do benfeitor provocar ou reforçar a ingratidão?
O ideal de um ato moral – como também aponta o Evangelho e a interpretação espírita da ética cristã – é o desinteresse. Esse desinteresse deve ser financeiro, pessoal, afetivo. Ou seja, é preciso fazer o bem, sem nada querer, esperar ou desejar de volta. A coisa porém não é tão simples. Primeiro, porque ao fazer o bem, experimenta-se naturalmente um bem-estar interno (hoje comprovado até através de pesquisas que mostram que dar, doar, ajudar libera sensações agradáveis para quem faz). Então, ao fazermos o bem, queremos nos sentir bem? Sem dúvida que sim! E isso eu chamaria – repetindo uma definição que ouvi do meu terapeuta – de um egoísmo saudável. Afinal, Jesus disse que deveríamos amar ao próximo como a nós mesmos. Ou seja, todos os seres humanos buscam prazer, felicidade, bem-estar e isso é natural. Ora, muito melhor que esse bem-estar seja provocado por um fazer bem do que por um fazer mal ou por qualquer tipo de vício autodestrutivo.
Apesar disso, considero que num nível mais elevado de doação, o indivíduo dá apenas e somente pelo bem do outro, sem pensar na própria felicidade. É certamente o caso de Jesus, ao morrer na cruz, como oferecimento de um exemplo para a humanidade.
Mas a questão não fica nesse ponto. Quando nos encontramos diante de alguém que está em situação de necessidade, os nossos sentimentos de empatia e compaixão podem ser ativados e nos lançamos a uma ação benéfica para o outro. Até aí, ótimo.  Mas podem surgir também sentimentos (às vezes inconscientes) de superioridade e de prazer por estarmos numa posição de generosidade, de vaidade por “sermos tão bons”! Então, o ato de ajuda carrega algo de humilhante para o outro, sim. Porque podemos nos situar num patamar de cima, onde o outro que recebe, se sente de fato esmagado pela nossa oferta. Se a pessoa não tiver alternativa nesse momento, isso poderá depois gerar uma forte repulsa pelo benfeitor. E tudo isso está muito bem descrito no Evangelho. O problema é que bons impulsos podem ser manchados por esses sentimentos negativos – então há de fato um bem praticado, houve um momento de solidariedade sincera, mas depois o orgulho apareceu para estragar as coisas.
Outra forma de contaminar o gesto de ajuda está na cobrança de retorno, que pode ser uma cobrança sutil ou explícita, pode aparecer na forma de expectativa silenciosa ou de um “jogar na cara” ofensivo. A forma não explícita gera mal-estar no beneficiário e a explícita provoca justa revolta. Há inclusive pais e mães que praticam fartamente essa forma explícita, humilhando filhos, por terem cumprido o que pais e mães devem fazer – doarem-se inteiramente. Então, o ato do bem ou o amor doado estão claramente aprisionados nas garras do egoísmo.
Essas manchas no ato de doar não eximem aquele que recebe do sentimento de gratidão, sobretudo se há um vínculo amoroso envolvido no processo; assim como a ingratidão não exime o benfeitor de continuar fazendo o bem; porque é preciso compreender que estamos em processo de aprendizagem evolutiva e ainda quando queremos praticar o certo e queremos elevar nossos sentimentos, eles ainda se deixam macular por nossos atavismos milenares. Há que se ter maturidade e compreensão mútua para entendermos as nossas fraquezas e as do outro. Há também que se considerar que nossos papéis de benfeitores e beneficiados se alternam no decorrer da vida. Todos temos fases, momentos de fragilidade (basta lembrar de como chegamos e como partimos no mundo). Todos temos oportunidade de ajudar alguém em outros momentos. Ora somos necessariamente carentes, ora podemos ser generosos. Refletindo sobre tudo isso, haverá mais oportunidades de superação e de caminharmos para formas superiores de sentir e fazer.
Há porém algo mais sutil ainda, quando se trata de um benefício e uma ingratidão entre dois seres que se amam intensamente – e não posso deixar de imaginar que foi o que Jesus sentiu ao perguntar pelos outros nove leprosos que não voltaram, que embora não tivessem intimidade com Jesus, o Mestre não lhes era alheio em seu amor por todas as criaturas. A sua pergunta revela que ele não ficou indiferente ao fato. É que quando se pratica um bem ou muitos bens a um ser amado e a pessoa incorpora esse bem em sua vida e depois rejeita asperamente o irmão, a mãe, o amigo que lhe foi alicerce de ascensão e realização, o que se pode experimentar é uma profunda dor pelo outro. Jesus lamenta a ingratidão dos leprosos, como se entristece pela fraqueza de Judas e de Pedro. Mesmo se o nosso eu estiver já desprendido de toda mágoa e suscetibilidade – o que requer obviamente um trabalho bastante cuidadoso – podemos nos entristecer porque o ser amado está agindo de maneira tão acintosa e ingrata, por ele mesmo. Esse sentimento será entremeado de compaixão, sem falsa superioridade. Pode-se entretanto ainda misturar tais impulsos, enquanto estamos a caminho: mágoa com compaixão, tristeza pelo outro, com esperança de recompensa…
Enfim, tudo isso são aprendizados que nos competem assumir em nossa jornada evolutiva. E, tinha Kardec razão ao dizer que as duas únicas e maiores chagas da humanidade são o orgulho e o egoísmo. Estejamos atentos a isso!

“Meu compromisso é com a verdade,
não com a coerência.”

Gandhi
      Desde o início da civilização, há cerca de 4 mil anos antes de Cristo, uma parte do planeta iniciou um processo político/social chamado de civilização, que gradativamente destruiu os sistemas tribais e que nunca foi justo. Infelizmente eu sinto que é assim que a civilização funciona. Desigualdade, injustiças, dor, pobreza etc.      Não importa para onde você olhe. Não há justiça, mais é nesse mundo que você vive hoje.      Alguns mentores espirituais orientais me disseram: “Muitas injustiças que ocorrem são escolhas pessoais das pessoas envolvidas. Elas vibram ódio, ciúme, preocupação, medo, dor, enfim tudo o que não é bom, e acabam atraindo isso de volta para elas e para o planeta”.       Não importa se você sente isso como real ou não, mas neste mundo em que vivemos essa pode ser uma escolha nossa — ser ou não feliz aqui. Essa é a realidade. Doa a quem doer, feliz ou não, “só nos resta viver” e evitar ser ou se fazer de vítima dessa realidade.
Todos falam em justiça, bilhões de dólares são movimentados com advogados, juízes, prisões, leis estúpidas, e a “mãe cultura” sempre promete justiça, políticos em todos os discursos falam de justiça social, o povo exige justiça. Mas onde ela está?
      Muitos têm teorias sobre a causa das injustiças, e você também deve tê-las, mas são apenas teorias.      Você não nasceu em Júpiter ou em Saturno. Nem num paraíso místico onde tudo é justo e perfeito. Se quiser, pode até ficar sentado esperando a morte para ir ao éden e lá ser feliz. E se isso for ilusão e você reencarnar novamente aqui?      Fugir do mundo, ir para o alto da montanha também nem sempre é uma opção.      O escritor Daniel Quiin no livro além da civilização ensina:      “Quando as pessoas dizem que os meus livros as inspiram a ir para algum lugar e fundar uma comunidade, eu lhes desejo toda a sorte do mundo.      Na realidade conheço muita gente feliz com o mundo da forma como ele é. Agir com compaixão e cooperação, fazer algo para que haja justiça é ótimo. Agora, crer que você é infeliz porque não há justiça constitui uma atitude egoísta.
      Medite:      Quer sofrer? Fique repetindo o tempo todo:      · “Isso não é justo”;      · “Viver num mundo assim não dá”;      · “Como alguém pode ser feliz com tanta gente sofrendo?”;      · “Você não tem direito de fazer isso ou aquilo comigo”.
      Qual a utilidade de pensar nisso? Por que dar poder a essas vibrações? Quanto mais reclama que o mundo é injusto, mais você sofre e atrai sofrimento para o planeta.      Insisto: quer fazer algo? Tome uma atitude, arregace as mangas e não venha com a desculpa de que como ninguém faz nada você também não fará. Assuma se vai fazer algo ou só ficar reclamando por toda a vida.      Outra maneira de sofrer com injustiças e não fazer nada é pensar o tempo todo:      · “Deus/Deusa deveria...”      · “Os outros deveriam...”      · “Eu deveria...”      · “A justiça deveria...”
      Ilusões... Ilusões... Ilusões...      O exigente de justiça se pergunta: “Como você pode ter tanto e eu tão pouco?      Isso muitas vezes nem é questão de justiça, e sim de ciúme e inveja, comparar-se com o outro que tem o que você desejaria para si.
      Não fique apenas na acomodação de “eu gostaria de poder fazer algo” ou “eu pretendo um dia melhorar o mundo”. Isso é ser pretensioso. Quem se queixa do mundo e nada faz está totalmente iludido, não assumindo responsabilidades simples, internas ou externas.      Certa vez uma amiga me ligou queixando-se de tudo o que era possível, falou mais de 30 minutos. Eu lhe disse: “Pare com essas queixas e cuide da sua vida. O mundo é tão perverso, mas você não consegue parar de fumar, iniciar uma dieta ou encontrar um relacionamento feliz”.      Pessoas queixosas, que dizem que nada dá certo, atraem isso. São pessoas estáticas, infelizes, cheias de energias negativas, pesadas, que até vampirizam ambientes ou pessoas.      Se quer distanciar-se de gente que acha tudo injusto, resmungonas, arrogantes, discutidoras, críticas, vigaristas, charlatãs, fofoqueiras, gananciosas, insistentes, falsas e insultadoras, aprenda em algumas situações a dizer ou a pensar estas palavras mágicas quando:      · alguém começa a reclamar de tudo na vida: “Eu não tenho nada com a sua opção de sofrer”;      · alguém diz que o planeta não é justo: “Sim, mas há pessoas felizes aqui. O que você faz para ser feliz e trazer justiça ao planeta?”;      · alguém diz que não gosta de você: “E eu com isso? Eu gosto de mim”;      · alguém diz que há guerra na Ásia ou fome na África, ou há matanças de animais — faça uma mentalização de luz, uma oração, Reiki, Johei, ou algo prático, mas, se não desejar fazer nada, pense: “Não vou permitir que injustiças ou situações-limite estraguem minha vida e meu contentamento”.
      Você deseja salvar realmente o planeta? Aqui vai uma dica valiosa: leia os magníficos livros de Daniel Quinn: Meu Ismael, A história de B e Além da civilização. São obras-primas do iluminado autor que inspirou o filme Instinto, com Anthony Hopkins, lá você encontrará praticas, e não teorias expeculativas de ações planetárias. Te desafio a ler esses textos e fazer algo. Aprenda também a usar as palavras mágicas: “Não vou permitir que essas queixas de injustiça tirem minha paz”.       Desligue a TV! Não se apegue tanto a informações caóticas e violentas. Insisto, você está onde se coloca. Se dá força para o bem, atrai o bem. Se dá força para o mal, atrai o mal. Muitas das vezes em que escuta ou vê notícias sobre injustiças, você atrai isso para sua vida.       A maior parte dos noticiários mostra diariamente que:      · quem deveria fazer justiça é incompetente; (é assim há milhares de anos).      · há guerras no planeta; (sempre houveram)      · há violência em sua cidade; (sim e em outras também)      · os políticos “eleitos” (quem votou neles atraiu isso) só fazem bobagens; (sempre foi assim ou não)?      · a “justiça” do trabalho vai conseguir acabar com todos os empresários do país e criar mais desempregos; (seja auto-suficiente na sua profissão)      · não há justiça social, mas pode haver justiça na sua vida
      E as emissoras de TV? Eles têm do que reclamar? É claro que não, pois têm o que querem: a sua audiência.      Você assiste a tudo isso e dá poder para as injustiças, atrai essas energias para você e para o planeta, preocupa-se com tudo, não atua em nada, porque fica colado na frente da tela e ainda gera lucro para os patrocinadores de tragédias.
“Não tenho paciência para televisão. Eu não sou audiência para a solidão”. – Os Tribalistas
ReflexãoVocê é reclamão ou fazedor?O que é justiça para você?Quanto tempo de sua valiosa vida é gasto com lixos na TV?
      Os alimentos que você tem na geladeira de alguma maneira destroem o planeta ou criam injustiças sociais, dor ou são anti-ecológicos?
KoanO que é inevitável na sua vida e no planeta?
Se viver nesse planeta é difícil, eu lhe pergunto: há um outro lugar para ir?
Injustiças e dinheiro
      Certo dia minha filha Amanda escutou na escola que “o homem estava extinguindo vários animais e destruindo o planeta”.      Você concorda com isso? O homem destrói o planeta Terra?      Aqui vai uma boa notícia. Não é o homem que destrói a Terra, que extingue animais e outras formas de vida. É o homem que compulsivo por ter cada vez mais. È um tipo de homem, um homem descontente com tudo, que surgiu no planeta há alguns poucos milhares de anos e tem uma característica materialista exagerada.      Um bororó, pataxó, xavante, sioux, mehinako, tolteca, inca etc. não destruíram o planeta.      A 2a. guerra mundial e a guerra do Golfo não foram feitas pelos homens e sim por alguns homens.      A natureza está sempre se gerando e se renovando. Olhá-la e senti-la faz crescer muito contentamento dentro de nós. Tudo o que nós observamos cresce. É como diz o ditado: “O gado só engorda aos olhos do dono”.
O escritor Daniel Quinn ensina: 
“O mundo não precisa de nós para salvá-lo, só precisa de nós para que o deixemos em paz.”
      Quando nos concentramos em contentamento e alegria, é isso que obtemos. O contrário também é real: quando nos concentramos no descontentamento e na tristeza, essas energias também crescem.
Apreciar a natureza traz contentamento e isso é um ímã para a felicidade. Apreciar só o dinheiro pode gerar desequilíbrios.
      O planeta Terra está sendo agredido nos últimos 500 anos de maneira radical. Essas agressões em sua maioria têm por finalidade que uma minoria ganhe muito mais dinheiro, tenha maiores propriedades, carros luxuosos, roupas de grife etc.      É a dimensão do ter em prol da dimensão do ser.      O mestre Osho ensinava que o dinheiro foi feito para comprarmos alguns “brinquedinhos”. Quando compramos algo de alguém, estamos ajudando essa pessoa ou o comércio a circular.      O dinheiro em si não é bom nem mal, nem sujo nem limpo. A questão é o modo como muitos usam o dinheiro: de forma absolutamente gananciosa, mesquinha.      E esquecendo que ele pode lhe dar uma felicidade pouco duradoura ou você acha que mais canais de televisão, cassinos, jogos, prostituição, acesso rápido à internet, loterias, telas de cinema, restaurantes, carros novos, etc. vão te deixar feliz por muito tempo? A maior parte das pessoas que conheci que tem tudo isso de sobra, nunca me pareceram relaxados, ao contrário, são os que mais precisam de remédios, calmantes, anti-depressivos, análises e paz de espírito.
Passagem
      No século passado, um turista dos Estados Unidos foi visitar o famoso rabino polonês Hafez Hayyin. O turista ficou surpreso ao ver que o rabino morava num quarto simples, cheio de livros, onde as únicas peças de mobília eram uma mesa e um banco.      — Rabi, onde estão seus móveis? — perguntou o turista.      — E onde estão os seus? — retorquiu Hafez.      — Os meus? Mas eu estou aqui só de passagem...      — Eu também — disse o rabino.
Reflexão
O que você procura agora?
Koan
O que você pode comprar para sua essência?
A sua essência precisa adquirir alguma coisa?
Você é ou será?


Amo-te infinitamente tua mãe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

527 - Uma carta de despedida de um filho a uma mãe

Meu muito amado filho Estêvão

Hoje partilho contigo uma carta de um filho que acabou de perder a sua mãe.


Hoje, perdi a mulher mais importante da minha vida. Ainda de manhã te dei um beijo. Foi o último correspondido. Agora já não vou voltar a chegar a casa e ver-te. Vai ser um vazio que nunca será preenchido, mas que fará parte de mim até ao fim dos meus dias.  Educaste-me de uma maneira que nunca pensei que fosse possível. Nunca me faltou nada e trabalhaste dia e noite para que assim fosse. Só posso dar graças a todos os sacrifícios que fizeste, a todas as birras que aturaste, a todos os meus caprichos que atendeste, a todo o carinho que tu me deste, sei que a minha vida inteira não chegará para te agradecer o suficiente, mas vou tentar. Vais-te orgulhar no homem em que me tornei, me estou a tornar e me irei tornar. Vou viver a minha vida sabendo que agora tenho mais um anjo a olhar por mim, mais uma estrela a guiar-me. Vou fazer a minha vida como a sonhei, vou viver os meus sonhos por…

74 - Regras de vida minimalista

Amado filho
Deixo-te algumas regras de minimalismo... viver de um modo simples....

Querido filho deixo-te de seguida uns ensinamentos de alguem que sabe muito mais que eu... retirado de http://busywomanstripycat.blogspot.pt/

1. Reduza a tralha 2. Use o sistema de destralhamento do Dave 3. Use o speed cleaning para limpar a casa 4. Corte em metade o tempo que passa no supermercado 5. Compre em grandes quantidades 6. Plante um jardim 7. Faça todos os seus recados no mesmo sítio 8. Corte o tempo que passa a tratar da roupa em metade 9. Não compre roupas que precisam de ser limpas a seco 10. Deixe os sapatos à porta 11. Use tapetes com padrões 12. Use tabuleiros para a comida 13. Mantenha as plantas lá fora 14. Substitua a relva por relva artificial 15. Ou, pelo menos, simplifique a manutenção da relva 16. Animais de estimação simples 17. Mudanças simples 18. Reciclagem simples 19. Mude-se para uma casa mais pequena 20. Guie um carro simples 21. Venda a porcaria do barco 22. Construa um guarda-roupa simples 23. …