Pular para o conteúdo principal

684 - Psicopatas domésticos. Eles estão entre nós e nas nossas relações


Meu muito amado filho Estevão
Hoje quero falar te de psicopatas.
Psicopatas não só pessoas que aparecem em filmes de assassinos em série, os psicopatas são pessoas que não sentem empatia ou compaixão. São mentirosos e manipuladores, até nas relações amorosas. Os psicopatas integrados parecem pessoas normais até te destruírem. São pessoas que te obrigam a sustenta-los 40 meses ou mais, são pessoas que não te acompanham quando te morre alguém querido, são pessoas que te abandonam sem explicação, são pessoas que te usam e depois te descartam, são pessoas que se aproximam muito depressa e depressa se vão, são pessoas que usam quem for, mentem a quem for, tem centenas de segredos.

O psicopata integrado não tem sentimentos ou remorsos, é frio e eficaz quando a depredar uma vítima, além de usar a sedução para se aproximar das pessoas que lhe interessam.

O assunto é, muito sério, tão sério que a única solução para as vítimas destes predadores é o afastamento total, uma vez que, não sendo doentes mentais, os psicopatas não têm cura: “A única opção é sair. Não se trata de uma doença clínica e o problema não tem tratamento: a terapia funciona ao contrário, com o psicopata a aprender muitas coisas novas para manipular mais e melhor as suas vítimas. Eles, os psicopatas, não têm moral, não têm consciência. E não têm a capacidade de sentir compaixão pelas suas vítimas.”

Qual é o perfil do psicopata integrado?
Não sente empatia ou compaixão
Não consegue amar
É dono de um narcisismo extremo e maligno
É um parasita progressivo
Seduz e manipula sem remorsos

Chama-lhes psicopatas integrados ou domésticos. Os psicopatas não estão só nos filmes mas também entre nós. Somos ignorantes quanto à sua existência?
As pessoas normais não sabem que a maior parte dos psicopatas não são aqueles que estão na prisão, não são os assassinos, são os psicopatas a quem chamamos de normalizados ou integrados. O psicopata integrado é uma pessoa integrada na sociedade, que faz uma vida aparentemente normal, à exceção de que não tem emoções, não tem sentimentos de culpa e, portanto, é muito frio e eficaz quando se propõe a depredar uma vítima.


Escreve que são parasitas progressivos. Em que sentido?
Progressivos porque a sua forma de entrar numa relação é a pouco e pouco, sem nunca mostrar a sua verdadeira natureza. O problema é que a vítima apaixona-se, fica seduzida — porque é isso o que estes psicopatas fazem, eles seduzem. Na segunda fase, que é a fase do desprezo, a pessoa que vive numa relação com um psicopata fica completamente destruída. O problema é que as pessoas não têm informação específica e desconhecem a existência deste tipo de personalidade. Não têm informação que explique como uma pessoa pode ficar destruída sem se dar conta por causa de uma pessoa encantadora, que não precisa de a maltratar fisicamente porque fá-lo psicologicamente. Isso pode gerar um quadro psicológico de stress pós-traumático, são os quadros mais habituais.

Quais são as principais características de um psicopata?
Ausência de emoções reais, falta de empatia, ausência de medo e de ansiedade, maior probabilidade de trair os seus parceiros. Os psicopatas são, sobretudo, pessoas que vivem dos outros, são parasitas. Sabem muito bem como posicionarem-se enquanto objeto de desejo de toda a gente. Têm a capacidade de manipular os outros e, se têm um problema, seduzem ou compram as pessoas que necessitam de ter a seu lado.

É fácil identificar um psicopata integrado?
Não, não é fácil porque um psicopata não parece um doente mental (porque não o é), ao invés parece uma pessoa normal e encantadora. Se não conhecermos a existência deste problema teremos muita probabilidade de nos convertermos nas suas vítimas.
Todas as pessoas com um narcisismo extremo são potenciais psicopatas?
Não, mas todos os psicopatas são narcisistas extremos ou malignos. Uma pessoa com um grande nível de narcisismo não é um psicopata, mas é certo que todos os psicopatas são narcisistas extremos.
O psicopata tem noção do que é?
Nem sempre sabem que são psicopatas, mas sabem que são diferentes dos outros. Sabem que não sentem medo, empatia ou compaixão e, portanto, sabem que têm grandes capacidades de fazer com que os outros façam o que eles querem. É uma arte, eles sabem que são capazes de manipular os outros mas nem sempre sabem que a isso se chama “psicopata”.
Sendo ele egoísta por natureza, o psicopata gosta de si próprio?
Sim. Ele tem um narcisismo extremo, precisa de adoração e de seduzir as pessoas, de manipular os outros. Os psicopatas vivem do trabalho dos outros, do dinheiro e da energia dos outros. Consomem a energia das suas vítimas, esvaziam-nas.
Comecemos com um teste. A pessoa com quem partilha a vida aborrece-se muito facilmente e ridiculariza a sua maneira de ser, os seus rasgos pessoais, e ainda olha com desprezo para os seus êxitos profissionais? Usa as redes sociais para provocar ciúmes? Para ele ou ela, o sexo é um instrumento de controlo? Infiltra-se, de forma insidiosa, na vida familiar e no círculo de amigos? Apesar de tudo isto, você consegue perdoar, desculpar, e evita encarar traições? Se as respostas são afirmativas, então é melhor parar para pensar. É provável que tenha um psicopata emocional na sua cama. Na sua vida.
O amor pode transformar-se num inferno. Um psicopata numa relação amorosa é um perigo. O retrato-robô de um psicopata emocional está desenhado: zero lealdade, zero compaixão, zero remorsos, zero empatia.
Estes seres são parasitas que usam, espremem, exploram e não param até à destruição total. São megalómanos, narcisistas, acham que podem fazer tudo sem medos ou remorsos, sem respeito pelas normas sociais. Agem depressa, sem pensar duas vezes. São sedutores, camaleões sociais, vampiros emocionais, predadores humanos. Constroem a sua própria máscara, não permitem que seja o outro a terminar uma relação. São frios e calculistas.
«Os psicopatas estabelecem um relacionamento com o seu parceiro que tem por base uma “agenda” encoberta que põem em marcha desde o primeiro dia e cujo objetivo único é a vitimização através do abuso. Como predadores humanos, ocultam a sua verdadeira identidade, criando de maneira fictícia uma personalidade falsa construída por medida (a máscara), para conquistar a confiança e o afeto da vítima, com vista a podê-la dominar, manipular ou controlar à vontade».
O problema é complexo e tem de ser tratado com pinças. Um psicopata emocional numa relação amorosa provoca estragos inimagináveis.
É como um furacão que leva tudo à frente. Mas, calma, existe vida depois disso. Haja vontade. Por isso, olhos abertos para não se deixar manobrar. «Quando alguém com quem dorme e com quem partilha vida, filhos ou círculo de relação social revela ser um psicopata, está perante um problema muito sério».
Aviso feito, palavras de esperança. A pior notícia acaba, no fundo, por ser a melhor: o fim da relação. «Quem partilha a sua vida com um parceiro psicopata é um autêntico zombie: está morto e não o sabe ainda. A vítima de um parceiro psicopata vive uma esquizofrenia sempre na ténue fronteira que separa aquilo que acredita que está a acontecer do que sabe que está a acontecer e do que espera que não aconteça», escreve.
Há sinais a que convém estar atento. Um psicopata não facilita e usa todas as armas. Simpatia e encanto superficiais, magnetismo emocional e sexual, ausência total de remorsos ou sentimentos de culpa, mentiras permanentes, fazer-se de vítimas das suas vítimas, frieza e falta de emoções, olhar vazio e sem alma. Arrogância, orgulho, habilidade para manipular os outros. O psicopata usa técnicas de manipulação para «violar a alma.» Abusos e maus-tratos emocionais em lume brando, maldade escondida e constante, intenção deliberada de causar danos. Trai e mente. Recorre ao jogo psicológico da piedade ou vitimização.
As intenções são más. Muito más. Quer provocar a erosão da autoconfiança e da autoestima do parceiro, destruir-lhe os seus limites pessoais, emocionais e sociais. Torturar através de ciúmes e rivalidades. Arranjar acusações falsas, desculpas, justificações, versões. Silêncios, abandonos, agressividade passiva. Tudo vale neste jogo de poder.
Apesar de tudo, há vida, esperança e felicidade. Sobreviver a uma relação tóxica é possível.
Usar a metáfora de reabilitação de uma casa que ameaça ruir após a passagem de um furacão de grau 5. Há então que dar a volta. «É um período em que deverá tratar-se a si próprio com compaixão, e extremar os cuidados que tem consigo. Tem de se alimentar bem, de se autopremiar, de se dar tempo e atenção a si mesmo, de procurar o apoio daqueles que lhe são queridos e em quem pode confiar, de recuperar as boas amizades e os bons hábitos. Não mais castigos, não mais censuras, nem comportamentos de autossabotagem».
E depois de se reerguer, de reconstruir a casa, vai ser mais fácil topar qualquer psicopata que se atravesse no seu caminho. Saberá que quem não está ao seu lado nos momentos difíceis, não assume a mais pequena responsabilidade na vida de casal, quebra continuamente as suas promessas, não respeita o seu espaço e a sua intimidade, não terá espaço na sua nova vida. Compreender o que aconteceu é o primeiro passo para a recuperação. Decidir seguir em frente é o melhor dos prognósticos. «Vá em frente e retome o controlo da sua vida. Ponto parágrafo. E passe a outra coisa.»
Cinco conselhos para se defender de um psicopata emocional: 
1.    Aprenda tudo o que for possível sobre os psicopatas porque eles não existem apenas nos filmes.
2.    Preste atenção ao que faz e não ao que diz. Centre-se nos seus comportamentos e não nas suas palavras.
3.    Observe a expressão das suas verdadeiras emoções, uma vez que costumam representá-las teatralmente ou híper-reagir para simular emoções.
4.    Não lhe confie passwords nem códigos de cartões de crédito. Nunca assine documentos, contratos, acordos legais.
5.    Peça opiniões a outras pessoas à sua volta que podem perceber o que está a acontecer e faça um diário detalhado de tudo o que se passa.

Estão mais perto do que pensamos

Amo-te infinitamente

Tua mãe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

527 - Uma carta de despedida de um filho a uma mãe

Meu muito amado filho Estêvão

Hoje partilho contigo uma carta de um filho que acabou de perder a sua mãe.


Hoje, perdi a mulher mais importante da minha vida. Ainda de manhã te dei um beijo. Foi o último correspondido. Agora já não vou voltar a chegar a casa e ver-te. Vai ser um vazio que nunca será preenchido, mas que fará parte de mim até ao fim dos meus dias.  Educaste-me de uma maneira que nunca pensei que fosse possível. Nunca me faltou nada e trabalhaste dia e noite para que assim fosse. Só posso dar graças a todos os sacrifícios que fizeste, a todas as birras que aturaste, a todos os meus caprichos que atendeste, a todo o carinho que tu me deste, sei que a minha vida inteira não chegará para te agradecer o suficiente, mas vou tentar. Vais-te orgulhar no homem em que me tornei, me estou a tornar e me irei tornar. Vou viver a minha vida sabendo que agora tenho mais um anjo a olhar por mim, mais uma estrela a guiar-me. Vou fazer a minha vida como a sonhei, vou viver os meus sonhos por…

74 - Regras de vida minimalista

Amado filho
Deixo-te algumas regras de minimalismo... viver de um modo simples....

Querido filho deixo-te de seguida uns ensinamentos de alguem que sabe muito mais que eu... retirado de http://busywomanstripycat.blogspot.pt/

1. Reduza a tralha 2. Use o sistema de destralhamento do Dave 3. Use o speed cleaning para limpar a casa 4. Corte em metade o tempo que passa no supermercado 5. Compre em grandes quantidades 6. Plante um jardim 7. Faça todos os seus recados no mesmo sítio 8. Corte o tempo que passa a tratar da roupa em metade 9. Não compre roupas que precisam de ser limpas a seco 10. Deixe os sapatos à porta 11. Use tapetes com padrões 12. Use tabuleiros para a comida 13. Mantenha as plantas lá fora 14. Substitua a relva por relva artificial 15. Ou, pelo menos, simplifique a manutenção da relva 16. Animais de estimação simples 17. Mudanças simples 18. Reciclagem simples 19. Mude-se para uma casa mais pequena 20. Guie um carro simples 21. Venda a porcaria do barco 22. Construa um guarda-roupa simples 23. …