Pular para o conteúdo principal

531 - Só mais uma vez

Meu muito amado filho Estêvão

"Existe um romance inglês do século XIX no qual todos os anos, durante 500 anos, todo o povo se reúne na igreja na véspera de Natal e reza. Pouco antes da meia-noite acendem candeias e a cantar canções e hinos, caminham vários quilômetros até uma velha gruta abandonada. Ali organizam um presépio. E com uma devoção simples, ajoelham-se e rezam.
Existe um mito nessa cidade, uma crença, de que se todos os cidadãos estiverem presentes na noite de Natal, e se todos rezarem com verdadeira fé, então e só assim a Segunda Vinda estará para acontecer.
Durante 500 anos foram até à gruta e rezaram. Porém a Segunda Vinda não se deu.
A uma das personagens principais deste livro perguntaram:
- Acreditas que Ele vai voltar na noite de Natal à nossa cidade?
- Não - responde, abanando a cabeça tristemente - Não, Não acredito.
 - Então, por que é que vais lá todos os anos? - pergunta-lhe.
- Ah, e se eu lá não estivesse quando acontecesse? - perguntou a sorrir.
Como diz o Novo Testamento, só precisamos que a nossa fé seja do tamanho de um grão de mostarda para entrarmos no Reino do Céu. Por vezes, quando trabalhamos com crianças com deficiências mentais, com jovens em risco, adolescentes com problemas, alcoólicos, violentos ou depressivos e parceiros ou amigos suicidas, precisamos desse bocadinho de fé, o mesmo que fazia voltar todos os anos aquele homem. Só mais uma vez, talvez aconteça.
Por vezes somos chamados a trabalhar com pessoas em que os outros perderam toda a esperança. Talvez até nós cheguemos à conclusão de que não há possibilidade de mudança ou de crescimento. É nessa altura que, se conseguirmos encontrar um pingo de esperança, podemos virar a esquina, obter um resultado visível, poupar algo que vale a pena poupar. Por favor, volte, meu amigo, só mais uma vez."

By: Hanoch McCarty, Ed. D.


Amo-te infinitamente


Tua mãe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

665 - Deixa-me dizer-te algumas coisas que se calhar não vais ouvir de mais ninguém

Meu muito amado filho Estêvão

"Querido filho, deixa-me dizer-te algumas coisas que se calhar não vais ouvir de mais ninguém. 
Os teus pais fizeram sempre o melhor que souberam fazer. 
E os avós também fizeram isso com os pais. 
Ninguém é melhor do que ninguém. 
Andamos todos às apalpadelas nesta coisa a que chamam vida. 
Ser feliz é o objetivo e cada pessoa tem uma noção diferente do que é a felicidade. Respeita isso. Deixa-me dizer-te que, quando nasces, já existe um Sistema onde se tabela logo que vais passar 12 anos a estudar e mais cinco na universidade. São 17 anos da tua vida. Tenta aprofundar as matérias que mais interesse te despertem e nunca - mas nunca - escolhas um curso só porque tem mais saídas profissionais. É que depois, diz o tal Sistema, vais trabalhar mais 40 anos até à reforma e, pelo menos, tens que gostar de fazer o que fazes para não caires no consultório de um psiquiatra que te receita umas pílulas da alegria que só mascaram a dor (os anti depressivos são os cosm…

527 - Uma carta de despedida de um filho a uma mãe

Meu muito amado filho Estêvão

Hoje partilho contigo uma carta de um filho que acabou de perder a sua mãe.


Hoje, perdi a mulher mais importante da minha vida. Ainda de manhã te dei um beijo. Foi o último correspondido. Agora já não vou voltar a chegar a casa e ver-te. Vai ser um vazio que nunca será preenchido, mas que fará parte de mim até ao fim dos meus dias.  Educaste-me de uma maneira que nunca pensei que fosse possível. Nunca me faltou nada e trabalhaste dia e noite para que assim fosse. Só posso dar graças a todos os sacrifícios que fizeste, a todas as birras que aturaste, a todos os meus caprichos que atendeste, a todo o carinho que tu me deste, sei que a minha vida inteira não chegará para te agradecer o suficiente, mas vou tentar. Vais-te orgulhar no homem em que me tornei, me estou a tornar e me irei tornar. Vou viver a minha vida sabendo que agora tenho mais um anjo a olhar por mim, mais uma estrela a guiar-me. Vou fazer a minha vida como a sonhei, vou viver os meus sonhos por…