Pular para o conteúdo principal

524 - Nunca lhe dissemos que não podia

Meu muito amado filho Estêvão

Deixo-te aqui hoje um texto para leres e pensares.

"O meu filho Joey nasceu com um pé boto. Os médicos garantiram-nos que com tratamento poderia andar normalmente - mas, tambem que nunca poderia  correr. Os primeiros três anos de vida foram passados em operações, gesso e aparelhos metálicos. Aos oito anos, ao vê-lo andar ninguém diria que tinha um problema.
As crianças do bairro corriam como fazem a maior parte das crianças a brincar e Joey, andava com elas, corria e brincava tambem. Nunca lhe dissemos que, provavelmente não conseguia corrrer tão bem como as outras crianças. Por isso, ele não sabia.
Quando andava no ciclo decidiu entrar numa equipa de corta-mato. Todos os dias treinava com a equipa. Esforcava-se mais e corria mais do que os outros - sentia, talvez, que as capacidades que pareciam ser naturais em tantos outros não eram naturais nele. Embora toda a equipa corra, apenas os sete melhores corredores têm possibilidade de marcar pontos para a escola. Nunca lhe dissemos que provavelmente não poderia entrar para a equipa, por isso não sabia.
Continuava a correr três e quatro quilómetros por dia, mesmo no dia em que teve 38º de febre. Estava preocupada, por isso fui ter com ele depois da escola. Dei com ele a correr sozinho. Perguntei-lhe como se sentia. "Bem", respondeu. Ainda tinha mais um quilómetro e meio para correr. O suor escorria-lhe pela cara e tinha os olhos brilhantes da febre. Porém, olhava em frente e continuava a correr. Não lhe dissemos que não podia correr três quilómetros com 38º de febre. Por isso não sabia.
Duas semanas depois, os nomes dos corredores da equipa foram revelados. O Joey entrara para a equipa. Estava no ciclo, os outros seis membros da equipa eram todos muito mais velhos. Nunca lhe dissemos que não devia esperar integrar a equipa. Nunca lhe dissemos que não podia fazê-lo... por isso não sabia. Mas fê-lo!



Amo-te simplesmente


Tua mãe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

665 - Deixa-me dizer-te algumas coisas que se calhar não vais ouvir de mais ninguém

Meu muito amado filho Estêvão

"Querido filho, deixa-me dizer-te algumas coisas que se calhar não vais ouvir de mais ninguém. 
Os teus pais fizeram sempre o melhor que souberam fazer. 
E os avós também fizeram isso com os pais. 
Ninguém é melhor do que ninguém. 
Andamos todos às apalpadelas nesta coisa a que chamam vida. 
Ser feliz é o objetivo e cada pessoa tem uma noção diferente do que é a felicidade. Respeita isso. Deixa-me dizer-te que, quando nasces, já existe um Sistema onde se tabela logo que vais passar 12 anos a estudar e mais cinco na universidade. São 17 anos da tua vida. Tenta aprofundar as matérias que mais interesse te despertem e nunca - mas nunca - escolhas um curso só porque tem mais saídas profissionais. É que depois, diz o tal Sistema, vais trabalhar mais 40 anos até à reforma e, pelo menos, tens que gostar de fazer o que fazes para não caires no consultório de um psiquiatra que te receita umas pílulas da alegria que só mascaram a dor (os anti depressivos são os cosm…

527 - Uma carta de despedida de um filho a uma mãe

Meu muito amado filho Estêvão

Hoje partilho contigo uma carta de um filho que acabou de perder a sua mãe.


Hoje, perdi a mulher mais importante da minha vida. Ainda de manhã te dei um beijo. Foi o último correspondido. Agora já não vou voltar a chegar a casa e ver-te. Vai ser um vazio que nunca será preenchido, mas que fará parte de mim até ao fim dos meus dias.  Educaste-me de uma maneira que nunca pensei que fosse possível. Nunca me faltou nada e trabalhaste dia e noite para que assim fosse. Só posso dar graças a todos os sacrifícios que fizeste, a todas as birras que aturaste, a todos os meus caprichos que atendeste, a todo o carinho que tu me deste, sei que a minha vida inteira não chegará para te agradecer o suficiente, mas vou tentar. Vais-te orgulhar no homem em que me tornei, me estou a tornar e me irei tornar. Vou viver a minha vida sabendo que agora tenho mais um anjo a olhar por mim, mais uma estrela a guiar-me. Vou fazer a minha vida como a sonhei, vou viver os meus sonhos por…