Pular para o conteúdo principal

391 - Amor e resiliência

Meu muito amado filho Estêvão

Era uma vez um grande homem que se casou com a mulher dos seus sonhos. Com amor criaram uma menina.
Quando essa menina estava a crescer o grande homem abraçava-a e dizia-lhe: “Amo-te, minha menina!”. A rapariguinha fazia beicinho e dizia: “Já não sou uma menina!”. Então o homem ria-se e dizia: “Para mim, serás sempre a minha menina!”.
A menina-que-já-não-era-menina deixou a sua casa e enfrentou o mundo. Enquanto aprendia mais sobre ela própria, aprendia mais sobre o homem. Uma das suas forças era a sua capacidade de exprimir o seu amor pela sua família. Não importava por onde tinha andado no mundo, o homem chamava-a e dizia-lhe: “Amo-te, minha menina!”.
Chegou o dia em que a menina-que-já-não-era-menina recebeu uma chamada telefónica. O grande homem estava mal. Tinha sofrido acidente vascular cerebral. Não conseguia falar, rir, sorrir, andar, abraçar, nem dizer à menina-que-já-não-era-menina que a amava.
Ela foi para a cabeceira do grande homem. Quando entrou no quarto e o viu, parecia pequeno e não parecia nada forte. Olhou para ela e tentou falar mas não conseguiu.
A menina fez a única coisa que podia fazer. Subiu para a cama, para o lado do grande homem e pôs os braços em torno dos ombros inúteis de seu pai.
Com a cabeça no peito dele, pensou em muitas coisas. Lembrou-se de como se sentia protegida e acarinhada pelo grande homem. Sentia desgosto pela perda que ia sofrer, a das palavras de amor que a confortavam.
E então ouviu dentro do homem, o bater do seu coração. Este continuava a bater despreocupado com os danos no resto do corpo. E enquanto ela ali descansava, a magia aconteceu. Ouviu o que precisava de ouvir.
O coração dizia, ao bater, o que a boca já não conseguia: “amo-te minha menina, amo-te minha menina!”… e ela sentiu-se confortada.
Patty Hansen




Amo-te demais

Tua mãe



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

679 - O dia em que fui a uma missa pela ultima vez

Meu muito amado filho Estêvão

Hoje depois de um velório de uma pessoa a quem muito queria e depois de um funeral, precisava de rezar de me sentar na casa de Deus e agradecer. Sim agradecer.
Esqueci-me que já dezenas de amigos e família me tinham avisado para não ir a determinada igreja em Lisboa (não menciono aqui o nome da igreja porque de facto não interessa, não estou em luta com ninguém não quero mudar ninguém que não eu mesmo e de minha boca não farei o que outros fazem), esqueci-me e fui a essa igreja. 
Que horror ver quem tu sabes bem de capa umeral numa igreja ao lado do senhor padre e acólito e um diácono. Que horror, meu Deus. Tive de sair da igreja na altura da comunhão e vomitei, vomitei como nunca havia vomitado antes, vomitei de nojo de dentro da alma.
Nojo, vergonha e muito muito nojo de o corpo de Cristo, da Sagrada Comunhão sair das mãos de um mentiroso, que mente até no número de filhos que tem, num bandido que  vive de enganar pessoas, engana a autoridade tributária, as…

719 - Hoje isto acaba

Meu muito amado filho Estêvão Há 7 (quase 8) anos quando nasceste decidi escrever te este blog e decidi que 1111 coisas seriam .... hoje termino esta minha demanda mas não com 1111 mas sim com 719. Hoje isto acaba. Depois de pensar e sentir estou certa que nada mais tenho para te ensinar. NADA. Não sei nada da vida e do mundo e em particular do universo. Não sei nada do "amor". Nada de nada só sei do amor que te tenho. Não sei nada sobre namorar, casar, partilhar, ser leve. Nada. Há muitos muitos muitos anos que não sou beijada que não fecho os olhos com a sensação maravilhosa de ser amado, há outros tantos não janto fora para namorar, não olho nos olhos de alguém (que não tu) e penso UAU! .... já apanhei tantas vezes os cacos do meu coração que já perdi um monte pelo caminho e agora estão todos os cacos no saco, não sou dada a tinders ou aplicações de encontros, sou gorda demais e feia demais para algum dos meus amigos ou amigas me ajudar a encontrar um namorado. Por isso amor q…