Pular para o conteúdo principal

381 - Sobre mães solteiras e mentiras

Meu muito amado filho
Há dias assim... hoje o dia é de pessoas que não eu escreverem coisas para tu leres....

Mãe solteira não tem bode expiatório
Por Sofia Anjos
Não existem mães solteiras, existem mães. Disse-o o Papa Francisco. Porque mãe não é um estado civil, caso contrário a taxa de natalidade era ainda mais baixa. Solteira, casada, separada ou viúva são adjectivos bastante instáveis. Quase todas as mulheres passam pelos quatro estados civis numa vida em que o marido se fina primeiro. Mãe não muda, jamais, da sua condição.
O facto é que há um surto de mães solteiras. Por opção ou destino, reproduzem-se gravidezes seguidas de partos que se transformam em maternidades de mulheres que viram mães (temporariamente) sós. E, excepto as viúvas, mais vale só que mal acompanhada.
Mãos ao ar! Seja de ajuda ou de aplausos a quem tem as mamas no sítio. É que quem dá conta do recado, neste caso um bebé a criar, fazendo tudo o que as outras mães não solteiras fazem, sem ter uma ajudinha à mão, é de se reconhecer mérito. Receio que o mérito seja uma palavra em desuso mas o casamento também é.
Por “ajudinha” muita coisa cabe dentro da mão: alguém que tome conta da criança cinco minutos porque se está mesmo aflitinha; pô-la no berço implica um choro ininterrupto e o xixi não será tão aliviado; alguém que se possa levantar uma só vez das dez que a mãe se levanta por noite; e alguém que possa mandar a mãe para a cama quando esta adormece no sofá com a espinha dorsal a lembrar o kamasutra.
Mãe solteira não tem bode expiatório. E é aqui que o mérito lhe é atribuído. Admitemos que todas as mães precisam, a dado momento, ir chatear alguém; só para aliviar do stress pois a criança fez uma birra gigante para comer com as mãos e já tem bróculos a nascer nas orelhas. Então, há alguém que vive ali em casa alienado dos legumes em orifícios infantis. O pai, marido ou namorado, um dia defunto. E que até deixou cair uma migalha, inocentemente, no sofá e à qual a mãe se agarra com todos os dentes e transforma no álibi perfeito. Ah, Ah! Para fazer uma cena porque está mesmo precisada. “Obrigada, querido”.
E mãe solteira faz o quê? Grita com o Cavaco na televisão? Arranha as paredes? Fecha-se na casa de banho e insulta-se a si própria ao espelho? É que um pai faz muita falta a uma mãe. Não apenas pelas razões óbvias do amorzinho e do agora-é-a-tua-vez, mas também para os três segundos diários de descarga da fúria maternal. As mães solteiras, no limite, engolem as próprias palavras e deixam-nas ecoar mentalmente. Têm uma percentagem ligeiramente superior de vernáculo impróprio para ser escutado por bebés. As primeiras palavras dos seus filhos serão “Mamã”, “Caramba” e “Por favor”. Muito bem educadinhos, cedo aprendem que quando se quer uma coisa, acrescenta-se um “por favor”. Na memória dos seus tenros dez meses, registam a sua mamã ajoelhada, junto ao berço, a rezar: “Dorme, amorzinho... por favor! Amanhã, a mamã vai ter um dia tão difícil no trabalho, já são 4h da manhã... Colabora, amor... Por favor.. Ó-ó...”
E as olheiras de pedinte são disfarçadas, na manhã seguinte, com found-teintmal espalhado pela cara sonolenta. Porque o despertador já tocou e hoje, como todos os dias, “desde que nasceste, sou eu que te dou o leite, te visto e levo à creche”. Há toda uma gestão diária de recursos que, no caso destas senhoras, é tarefa exclusiva. E para serem bem-sucedidas, tratam de perceber que elas são o melhor recurso humano a reter. Porque aceitam o desafio, inventam caminhos, cumprem os objectivos. Mesmo que sonhassem estar a trabalhar em equipa, ter um maior ordenado e mais dias de descanso.
Voltando ao Papa Francisco, também podíamos imaginá-lo a dizer daqui a uns 50 anos: Não existem mães casadas, existem mães.


Hoje … é o que sou! Entre um monte de outras coisas que sou também. Nós temos algumas ajudas muito importantes… e ainda bem! E no final do meu mestrado a história vai ser … dorme Estêvão dorme porque a mãe tem de estudar! dorme Estêvão dorme porque a mãe tem de arrumar a casa! dorme Estêvão dorme porque a mãe tem de levar o lixo! dorme Estêvão dorme porque a mãe tem de ir fazer sopa! dorme Estêvão dorme porque a mãe tem de ir arrumar a mala para a escola!... enfim, és um grande grande grande grande grande companheiro da mãe disso não há duvida nenhuma! E tu e eu somos o melhor recurso humano a reter disso eu não tenho duvida… por isso temos de nos poupar!!!


Pior que uma mentira, é não saber viver sem elas. 
Pior que uma mentira, é esconder mentiras com outras mentiras. Onde as mentiras de sucedem em catadupa, não sabendo quem mente, já o que é mentira. Ou o que é verdade.
Pior que uma mentira, é viver vidas sem verdade alguma. Com mascarás. Com óculos escuros. Com glamour. Com falsas palavras. Com falsas premissas. E sem nenhuma verdade.
Pior que uma mentira, é chegar acreditar que a mentira é verdade mesmo sabendo que nunca deixou de ser mentira.
Mentir todos mentimos. 
Viver uma vida em mentira, é uma escolha. Patológica, diria.
Mais vale na vida uma dura verdade que uma doce e mascarada mentira. 
E quanto aos que escolhem fazer da vida uma mentira, a maior verdade é que não mentem para ninguém, a não ser para si próprios. 
E quantos aos que escolhem fazer da vida uma mentira, nunca saberão o quão libertador é a transparência de sermos quem somos. Com todos os riscos. Com todos os dissabores. Mas com toda a sinceridade. 
Porque mentir, todos mentimos. 
Vivermos só delas, é uma mentira.

By: Diana Gaspar Duarte



Amo-te daqui à lua e de volta à terra

Tua mãe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

679 - O dia em que fui a uma missa pela ultima vez

Meu muito amado filho Estêvão

Hoje depois de um velório de uma pessoa a quem muito queria e depois de um funeral, precisava de rezar de me sentar na casa de Deus e agradecer. Sim agradecer.
Esqueci-me que já dezenas de amigos e família me tinham avisado para não ir a determinada igreja em Lisboa (não menciono aqui o nome da igreja porque de facto não interessa, não estou em luta com ninguém não quero mudar ninguém que não eu mesmo e de minha boca não farei o que outros fazem), esqueci-me e fui a essa igreja. 
Que horror ver quem tu sabes bem de capa umeral numa igreja ao lado do senhor padre e acólito e um diácono. Que horror, meu Deus. Tive de sair da igreja na altura da comunhão e vomitei, vomitei como nunca havia vomitado antes, vomitei de nojo de dentro da alma.
Nojo, vergonha e muito muito nojo de o corpo de Cristo, da Sagrada Comunhão sair das mãos de um mentiroso, que mente até no número de filhos que tem, num bandido que  vive de enganar pessoas, engana a autoridade tributária, as…

719 - Hoje isto acaba

Meu muito amado filho Estêvão Há 7 (quase 8) anos quando nasceste decidi escrever te este blog e decidi que 1111 coisas seriam .... hoje termino esta minha demanda mas não com 1111 mas sim com 719. Hoje isto acaba. Depois de pensar e sentir estou certa que nada mais tenho para te ensinar. NADA. Não sei nada da vida e do mundo e em particular do universo. Não sei nada do "amor". Nada de nada só sei do amor que te tenho. Não sei nada sobre namorar, casar, partilhar, ser leve. Nada. Há muitos muitos muitos anos que não sou beijada que não fecho os olhos com a sensação maravilhosa de ser amado, há outros tantos não janto fora para namorar, não olho nos olhos de alguém (que não tu) e penso UAU! .... já apanhei tantas vezes os cacos do meu coração que já perdi um monte pelo caminho e agora estão todos os cacos no saco, não sou dada a tinders ou aplicações de encontros, sou gorda demais e feia demais para algum dos meus amigos ou amigas me ajudar a encontrar um namorado. Por isso amor q…