Pular para o conteúdo principal

370 - Abraços, beijos e chuva

Meu muito amado filho Estêvão

Participa nas reuniões de família e sê paciente quando os teus familiares te quiserem beijar e tirar fotografias.

Pede a uma pessoa mais velha que respeites que te diga qual a coisa que mais lamenta na sua vida. E escuta bem.

Marca, na ombreira da porta, a altura dos teus filhos a cada aniversário deles. Nunca pintes essas marcas.

De quando em vez deixa os teus filhos brincarem à chuva.

A hipocrisia ronda à nossa porta. É fácil cair nela e Cristo bem nos avisou. Dois exemplos. Os que exigem aos outros o que não estão dispostos a fazer nem sequer com a ponta de um dedo. E os que só fazem as coisas para serem vistos e aplaudidos. Daí que cada um se deva perguntar a si mesmo: - "Já me coloquei no lugar do outro antes de lhe exigir o que quer que seja?" - "E porque faço isto? É por uma boa causa ou é só porque me convém?"

Vasco P. Magalhães, sj
NÃO HÁ SOLUÇÕES, HÁ CAMINHOS
365 vezes por ano não perguntes porquê, mas para quê


"As palavras são palavras. 
As pessoas são pessoas.
As palavras nunca deixam de ser palavras. 
Nunca deixam de ter o seu significado. As suas emoções. A sua beleza. Os seus encantos. As suas vibrações.
As pessoas é que nos podem iludir ou confundir quando usam determinadas palavras e agem não de acordo com as mesmas. E quando assim é, entramos em portas que têm tanto de encanto quanto de ilusão.
Muitas vezes parece sentirmos que as palavras ganham outras cores, emoções, textura e impacto. Parece que até deixamos de gostar de determinadas palavras, esquecendo que a palavra, ou as palavras, já existiam antes da situação ou da pessoa que lhes deu rosto.
Pois é.
Não são as palavras a questão central. São as pessoas que proferem as palavras, mas que não se comportam de acordo com as mesmas.
Palavras sem acções, são ocas.
Não nos definimos como pessoas pelas palavras que dizemos mas pela concordância entre as palavras e as acções.
Somos um mundo de palavras. Sem elas não nos organizávamos.
Não comunicávamos.
Não crescíamos.
Não resolvíamos todos os assuntos internos e externos que da nossa vida fazem parte e que nos permitem crescer.
Consciência entre o que dizemos e o fazemos, é essencial. Consciência também naquilo que nos dizem e o que nos fazem. Cuidado com aqueles que muito falam e pouco fazem. Ou muito dizem e pouco agem. Ou que dizem uma coisa se fazem outra. A dissonância e ausência de princípios e valores, começa aqui. Não devemos julgar. Ninguém tem alma para julgar quem quer que seja. Mas é essencial ter consciência da qualidade de acções e de palavras que queremos ter nas nossas vidas.
Somos um mundo de palavras.
Mas moldamos o nosso caráter com aquilo que fazemos.
Não conhecemos ninguém pelas palavras que usa, mas pelo comportamento que tem.
Nem ninguém, nem a nós próprios."
Diana Gaspar Duarte



Já falamos aqui sobre isto tantas vezes... as palavras são importantissimas .... as palavras não são letras juntas as palavras devem dizer o que queremos dizer ... porque sem ações as palavras tornam-se mesmo ocas tornam-se mesmo uma sequencia de letras que fazem palavras.
Sê uma pessoa para quem cada palavra quer dizer o sentido que ela tem e não uma outra coisa qualquer.

O homem verdadeiramente poderoso é aquele que faz a sua propria mulher uma mulher feliz.
Keep that in your mind!



Amo-te infinitamente


Tua mãe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

69 - Os cães ladram e a caravana passa

Amado filho
Os “cães ladram e a caravana passa” é um proverbio árabe muito usado ainda hoje e que simboliza ainda muito do nosso comportamento humano.
Observa a maravilha de contradição existente no meio da afirmação. O estacionário e o evolutivo. Sabe-se que seguir adiante é da constituição das caravanas (e das pessoas), tal qual ladrar é da constituição dos cães. Aliás, os cães apenas ladram para avisar a seus donos a aproximação de algo que não faz parte de seu habitat convencional, ou quando desejam fazer festa para algum conhecido. Também é da sua constituição manterem-se próximos aos locais onde vivem, como se fossem limitados por um círculo invisível. No primeiro caso, não importa que a caravana tenha boas notícias, nem remédios importantes, basta que não seja daquele local. No segundo, o latido é diferente, mas é latido. Mas se ambos agem de acordo com suas constituições o que há de excecional na expressão? Exatamente o sentido de um permanecer estacionado e do outro seguir semp…

665 - Deixa-me dizer-te algumas coisas que se calhar não vais ouvir de mais ninguém

Meu muito amado filho Estêvão

"Querido filho, deixa-me dizer-te algumas coisas que se calhar não vais ouvir de mais ninguém. 
Os teus pais fizeram sempre o melhor que souberam fazer. 
E os avós também fizeram isso com os pais. 
Ninguém é melhor do que ninguém. 
Andamos todos às apalpadelas nesta coisa a que chamam vida. 
Ser feliz é o objetivo e cada pessoa tem uma noção diferente do que é a felicidade. Respeita isso. Deixa-me dizer-te que, quando nasces, já existe um Sistema onde se tabela logo que vais passar 12 anos a estudar e mais cinco na universidade. São 17 anos da tua vida. Tenta aprofundar as matérias que mais interesse te despertem e nunca - mas nunca - escolhas um curso só porque tem mais saídas profissionais. É que depois, diz o tal Sistema, vais trabalhar mais 40 anos até à reforma e, pelo menos, tens que gostar de fazer o que fazes para não caires no consultório de um psiquiatra que te receita umas pílulas da alegria que só mascaram a dor (os anti depressivos são os cosm…

644 - Porque é que as vezes as mães choram

Meu muito amado filho Estêvão

Ontem viste-me a chorar e muito e ficaste triste e muito e perguntaste-me "porque choras mãe? tu não tens medo de nada!".

Não podias estar mais errado. Tenho medo de tudo tudo tudo. Desde que nasceste então tenho ainda mais.

Ontem não foi um dia bom mas ontem foi só a ultima gota que encheu o copo.
Ontem estacionei o carro mal, não cumpri o código da estrada e para ir a correr dar uma aula estacionei em cima do passeio. Não devia foi errado e veio o reboque e levou o meu carro. Fizeram bem, eu errei. Passado o primeiro momento em que não sabia do carro e pensei que me o tinham roubado o carro, lá o fui buscar a polica.
Atenção que eu sei que errei, ok? eu estava mesmo mal parada, nunca faço isso fiz ontem e não devia.
Enquanto esperava para ser atendida, os policias que com certeza ganham mal e tem mais trabalho do que deviam demoraram muito a atender e um senhor que lá estava antes começou a irritar-se e a falar alto e que não pagava que aquilo…